Estamos enfrentando um problema com um pastor que todos os meses tem pedido adiantamento e quando recebe o salário o valor não dá para cobrir as despesas.
Como podemos ajudá-lo? Seria o caso de falarmos com o pastor principal? - Finanças e Contabilidade - PERGUNTAS E RESPOSTAS - Instituto Jetro - Instituto Jetro

carregando...
Home > Perguntas e Respostas

Perguntas e Respostas » Finanças e Contabilidade


Estamos enfrentando um problema com um pastor que todos os meses tem pedido adiantamento e quando recebe o salário o valor não dá para cobrir as despesas.
Como podemos ajudá-lo? Seria o caso de falarmos com o pastor principal?

Nossa sugestão é dividir esta situação em duas etapas, sendo uma dentro da igreja e outra como tratamento ao irmão que está enfrentando estes desafios. Dentro da Igreja é prudente eliminar qualquer tipo de adiantamento que vise cobrir diferenças orçamentárias por falta de planejamento, orçamento, decisões precipitadas, compras mal planejadas ou fora de hora. Quando adiantamos valores para cobertura de despesas correntes estamos tão somente adiando e aumentando o problema. Aconselha-se estabelecer situações especificas em que a comissão analisará um adiantamento em casos de saúde, acidentes graves, etc. Fora destas situações, é prudente que não haja adiantamentos. Quanto ao Pastor, é necessário assessorá-lo para que ele possa estar com suas finanças em ordem.

É muito difícil conseguir enxergar alternativas quando estamos vivendo o problema no dia-a-dia, por isso, como irmãos em Cristo, temos o dever de auxiliá-lo. Sugerimos os passos abaixo:

1) Marcar uma reunião para orar especificamente pelo problema, pedindo que o Senhor oriente e dê abertura para tratarmos desta situação;
2) Informá-lo que a Igreja não fará mais adiantamentos;
3) Levantar qual é a real situação relacionando se há dívidas (pagamentos atrasados, mensalidades, cheque especial, cartão de crédito etc);
4) Elaborar um orçamento para analisar se o padrão de vida está de acordo com o rendimento da família;
5) Adequar os gastos familiares com as receitas de forma a preservar a fidelidade ao Senhor nos dízimos e planejar e executar uma ação de pagamento de valores atrasados;
6) Caso haja necessidade deverá haver uma conversa com credores para que seja estabelecido prazo para liquidação de cada dívida;
7) Acompanhamento e determinação são fundamentais.

Cremos que se tratarmos este problema com oração, agindo diretamente em suas causas, poderemos alcançar sucesso rapidamente. Cremos que é prudente envolver o Pastor Principal como conselheiro e reforço para tratamento espiritual se houver necessidade.

Voltar