Seca e conflito expulsam 1 milhão de somalis de seus lares em 2017 - Notícias - Instituto Jetro

carregando...

Seca e conflito expulsam 1 milhão de somalis de seus lares em 2017


Publicado em 18.10.2017

Mais de um milhão de pessoas fugiram dos seus lares neste ano devido à grave seca e ao conflito na Somália, onde mais de 6,2 milhões de pessoas necessitam de assistência humanitária, informou nesta quarta-feira (18) o Conselho do Refugiado Norueguês (NRC).

Além disso, mais de 3,1 milhões estão em situação crítica e 388 mil menores de cinco anos sofrem desnutrição aguda, explicou a ONG em um comunicado.

"Estamos alarmados com as dimensões desta crise, na qual cerca de 3.500 pessoas fogem por dia dos seus lares em busca de comida e água para manter-se com vida", disse a diretora regional do NRC, Gabriella Waaijman, que comparou este êxodo em massa com o ocorrido na última crise de fome de 2011, quando morreram 260 mil pessoas.
Segundo Unicef, a seca na Somália pode levar a até 270 mil crianças sofrerem de desnutrição grave em 2017 (Foto: Farah Abdi Warsameh/AP) Segundo Unicef, a seca na Somália pode levar a até 270 mil crianças sofrerem de desnutrição grave em 2017 (Foto: Farah Abdi Warsameh/AP)
Segundo Unicef, a seca na Somália pode levar a até 270 mil crianças sofrerem de desnutrição grave em 2017 (Foto: Farah Abdi Warsameh/AP)

Apenas em setembro deste ano, cerca de 49 mil pessoas fugiram dos seus lares, a maioria das quais se deslocaram a acampamentos amontoados em áreas urbanas.

Muitas comunidades rurais da Somália se transformaram em cidades fantasmas após as colheitas falidas e a morte do gado, que deixou a população sem reserva de alimentos.

"Abandonei o trabalho na nossa fazenda de um hectare devido à falta de água. Os rios estavam secos, não havia nenhuma gota de água em nenhuma parte. Cavamos o solo para buscar água subterrânea, mas não encontramos nada", disse à NRC uma somali da região de Shabelle, Asha Ali Hussein.

Numerosas organizações internacionais insistem, no entanto, que com apoio financeiro ainda há tempo de evitar que se repita a situação de emergência humanitária que se viveu em 2011.

Além disso, ainda que a seca tenha sido a principal causa de deslocamento na Somália este ano, a atividade do grupo terrorista Al Shabab, que pretende instaurar um estado islâmico radical, também provocou numerosos deslocamentos.

No sábado passado um duplo atentado com caminhão-bomba matou mais de 300 pessoas e deixou 400 feridos em Mogadíscio.

Fonte: G1, 18/ 10/ 2017

O conteúdo das notícias é de responsabilidade de seus respectivos autores e veículo de comunicação, não refletindo necessariamente a opinião do Instituto Jetro.