Novos países na lista mundial da perseguição 2018 - Notícias - Instituto Jetro

carregando...

Novos países na lista mundial da perseguição 2018


Publicado em 18.04.2018

Todos os anos, a Portas Abertas realiza uma nova pesquisa para recolher dados e divulgar informações atuais sobre a perseguição aos cristãos nos países ao redor do mundo. Segundo as pesquisas para a lista de 2018, de aconteceram de novembro de 2016 a outubro de 2017, dois países aumentaram a pontuação e entraram para o ranking e dois deixaram a lista.

Os dois recém-chegados são o Nepal, em sua primeira aparição na lista, já no 25º lugar, com 64 pontos. O motivo da entrada do país foi porque lá houve um aumento da pressão e violência por parte de radicais, autoridades e religiosos hinduístas, além de funcionários do governo, partidos políticos hindus e a família, amigos e comunidade, que veem com maus olhos aqueles que deixam a religião tradicional do país para seguir a Cristo.

Já no Azerbaijão, que entrou na posição 45, com 57 pontos, o aumento da pontuação ocorreu graças ao refinamento e aperfeiçoamento das pesquisas da Portas Abertas, que puderam coletar mais dados e informações sobre a pressão e violência vividas pelos cristãos no país.

De outro lado, Comores e Tanzânia não estão mais entre os 50 países da Lista, apesar de não podermos afirmar que a perseguição não existe mais. Porém, podemos comemorar pequenas vitórias. Na Tanzânia, por exemplo, o novo governo conseguiu enfraquecer bastante um agressivo movimento chamado "Despertar", que estava por trás de grande parte da violência no país, algo que levou a uma menor pressão sobre os cristãos.

Pedidos de Oração
Ore continuamente pela Igreja Perseguida espalhada ao redor do mundo.
Interceda pelos cristãos do Nepal e Azerbaijão, que entraram na Lista Mundial da Perseguição este ano.
Continue orando por Comores e pela Tanzânia, peça ao Senhor que estabeleça a sua paz e justiça nesses países.

Fonte: Portas Abertas, 18/ 04/ 2018

O conteúdo das notícias é de responsabilidade de seus respectivos autores e veículo de comunicação, não refletindo necessariamente a opinião do Instituto Jetro.