Igreja Episcopal da Escócia legaliza casamento gay - Notícias - Instituto Jetro

carregando...

Igreja Episcopal da Escócia legaliza casamento gay


Publicado em 09.06.2017

Com uma decisão que acabou sendo apagada pelas eleições gerais do Reino Unido, que decidem o futuro da então primeira-ministra Theresa May, a Igreja Episcopal da Escócia decidiu que de hoje em diante ela reconhecerá e oficializará casamentos entre pessoas do mesmo sexo. A medida foi aprovada nesta quinta-feira, dia 8, pela maioria do sínodo interno e coloca os religiosos escoceses em rota de colisão com o restante da Comunhão Anglicana, ou seja, as igrejas anglicanas de todo o mundo que estão fortemente relacionadas com a conservadora Igreja da Inglaterra e com o arcebispo de Canterbury, Justin Welby.

Um feito deste tipo só foi realizado anteriormente pela Igreja Episcopal dos Estados Unidos que, aceitando os casamentos homossexuais, provocou uma "fratura permanente" com a Comunhão Anglicana e com os cerca de 85 mil fiéis espalhados nas 38 "províncias" anglicanas autônomas do mundo, que a expulsaram dos seus órgãos.

O bispo de Edimburgo da Igreja Episcopal da Escócia, reverendo doutor John Armes, disse que ficou muito feliz "pelos casais que agora podem ter suas relações reconhecidas pela Igreja e abençoadas por Deus". "Eu também eu estou satisfeito pelo que isso significa para a nossa Igreja e pelo modo como fomos capazes de fazer isso. Mas obviamente qualquer mudança como essa também cria dor e feridas em algumas pessoas, então, como um bispo da Igreja, eu sinto por elas", conclui Armes.

A decisão desta quinta, a primeira de uma igreja do Reino Unido, foi votada pelas sete dioceses escocesas, sendo que apenas a que une Aberdeen e as ilhas Orkney voltou contra, e prevê que um religiosos pode se recusar, por exemplo, a realizar uma cerimônia. Mesmo assim acredita-se que a Escócia se tornará um destino bastante procurado para casais de gays e lésbicas de fé anglicana principalmente provenientes do Reino Unido e de outros países da Europa.

As partes mais "liberais" do clero e dos fiéis comemoraram a votação positiva. No entanto, por causa dela, a Igreja Anglicana da Escócia pode sofrer graves consequências, já que a lei canônica foi modificada com a remoção da cláusula que determina o casamento como a união exclusivamente de um homem e uma mulher. Essa cláusula é defendida pela ala conservadora do clero anglicano, pelo sínodo mundial e também pelo arcebispo Welby, que acreditam que ela é originária das Escrituras Sagradas.

Fonte: Istoé, 08/ 07/ 2016

O conteúdo das notícias é de responsabilidade de seus respectivos autores e veículo de comunicação, não refletindo necessariamente a opinião do Instituto Jetro.