Google bloqueia anúncios sobre Jesus e referências bíblicas - Notícias - Instituto Jetro

carregando...

Google bloqueia anúncios sobre Jesus e referências bíblicas


Publicado em 14.05.2018

Bruce Kintz, CEO da Concordia Publishing House (CPH) - uma entidade da Igreja Luterana, publicou na sua página do Facebook, sua indignação após a organização ter sido informada de que o serviço de publicidade online do Google não promoveria o site da CPH por possuir certos itens religiosos na página.

A postagem no Facebook de Kintz explica que lhe foi informado que "os anúncios do Google não aceitariam mais nada relacionado ao domínio cph.org".

"Eles afirmaram que a razão é por causa da fé que expressamos em nosso site", escreveu Kintz.

Mais especificamente, um representante de suporte do Google AdWords disse ao CPH que as referências a Jesus e à Bíblia levaram à desaprovação dos anúncios.

"Foi dito pelo Google, que coisas como o nosso desafio bíblico em nossa página da Web precisariam ser esclarecidas antes que pudessem considerar para anúncios", disse Kintz.

Ele argumentou que a notícia era "incrivelmente séria e decepcionante. "É uma batalha difícil, mas nossa missão e nossos clientes valem a pena", enfatizou. "É por isso que estamos aqui", afirmou.

Um porta-voz do Google disse ao The Christian Post que "o Google recebe publicidade de instituições religiosamente afiliadas, incluindo organizações cristãs".

No entanto, para "proteger a privacidade do usuário, o Google AdWords tem políticas em vigor" que restringem a forma como os anunciantes podem usar os dados para exibir e personalizar anúncios para os usuários.

"Proibimos que os anunciantes usem dados confidenciais, como raça, filiação religiosa, afiliação política ou orientação sexual, para exibir anúncios aos usuários", diz uma declaração do Google.

Uma análise das políticas de publicidade do Google mostra que a empresa proíbe o uso de "crença religiosa pessoal" para segmentar usuários para publicidade.

"Queremos que os anúncios forneçam uma experiência positiva e sejam informados pelos interesses dos usuários, e não por quem eles são vistos como pessoas. Por isso, não permitimos publicidade personalizada com base na identidade fundamental ou intrínseca de um usuário. seus sistemas de crenças ", afirma a política. "Essas identidades e crenças podem incluir classificações intrinsecamente privadas de si mesmo; classificações suscetíveis a estigmas, discriminação ou assédio; participação em grupos suscetíveis a estigmas, discriminação ou preconceitos; e sistemas de crenças pessoais.

"Os anunciantes não podem usar categorias de identidade e crença para segmentar anúncios para usuários ou para promover produtos ou serviços de anunciantes."

De acordo com a Concordia Publishing House, os anúncios reprovados pelo Google eram chamados de anúncios de remarketing. O Google define isso como exibição de "anúncios para pessoas que acessaram seu website ou usaram seu aplicativo para dispositivos móveis. Quando as pessoas saem do website sem comprar nada, por exemplo, o remarketing ajuda você a se reconectar exibindo anúncios relevantes em diferentes dispositivos."

A CPH foi instruída a remover todos os itens que se referem a Jesus ou à Bíblia para usar os anúncios de remarketing ou usar um tipo diferente de produto de anúncio do Google.

Kintz disse que eles não "sacrificariam" suas crenças para cumprir os requisitos do Google.

"Não é nenhum segredo que a sociedade está se tornando cada vez mais hostil à fé cristã. Essa crescente hostilidade torna nossa missão de proclamar essa fé através dos livros, Bíblias e currículo que produzimos ainda mais importantes. Continuaremos a proclamar a fé porque sabemos, sem sombra de dúvida, que a Palavra do Senhor é eterna", afirmou.

"Continua a ser a missão do CPH compartilhar a Palavra de Deus com todos os cristãos que buscam recursos fiéis para sustentar sua fé. O CPH não será impedido pelas ações do Google neste caso, mas buscará todas as vias disponíveis para conectar pessoas a Cristo."

A notícia chega num momento em que muitos acusam o Google e outros gigantes da tecnologia, como o Twitter e o Facebook, de ter um viés liberal e suprimir o alcance de conservadores e cristãos.

Fonte: CpadNews, 26/04/2018.

O conteúdo das notícias é de responsabilidade de seus respectivos autores e veículo de comunicação, não refletindo necessariamente a opinião do Instituto Jetro.