Expressando o amor de Cristo na prática - Entrevistas - Instituto Jetro

carregando...

Expressando o amor de Cristo na prática

Paulo Rangel
Publicado em 06.03.2004

Trabalhando na direção de uma das mais atuantes organizações evangélicas no Brasil - e também no mundo - o comissário Paulo Rangel, do Exército da Salvação, fala nesta entrevista ao site do Instituto Jetro sobre a importância do trabalho social para a Igreja de Cristo. Rangel também já está confirmado entre os preletores da 2ª Conferência Cristã de Gestão Ministerial, promovida pelo Instituto Jetro, que será realizada 8 a 11 de julho, em Londrina (PR). Certamente você será abençoado com os princípios simples praticados pelo Exército da Salvação que são, antes de tudo, uma lição para todos nós. Confira:

Qual o tipo de trabalho desenvolvido pelo Exército da Salvação?

foto de Paulo Rangel
Paulo Rangel - O Exército de Salvação é, antes de tudo, uma Igreja Evangélica e como tal tem como missão pregar o Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo e suprir as necessidades humanas em Seu nome. Para isso usa como meio o testemunho de vidas transformadas, a pregação da Palavra de Deus e procura expressar o amor cristão através de programas sociais que visam socorrer, assistir, curar, resgatar, educar àqueles que são carentes, oprimidos, rejeitados, desassistidos, abandonados, perdidos etc.

O Exército da Salvação está presente em quantos países?

Paulo Rangel - O Exército de Salvação atua em 108 países, tendo a maior parte de sua membresia na África, Índia e América Latina.

O senhor considera que o Brasil, pela disparidade social que apresenta, é um vasto campo "não aproveitado" para obras de ação social por parte da Igreja Evangélica?

Paulo Rangel - Alguém disse que "... as necessidades humanas são as oportunidades de Deus". Creio que Deus é a resposta para as necessidades de cada ser humano e de todos os seres humanos, seja ele rico ou pobre, ignorante ou educado, religioso ou ateu, enfim todos nós precisamos de Deus. Porém, é claro que os carentes sociais são mais vulneráveis e, muitas vezes, mais abertos a receber a graça de Deus e o cuidado humano para suprir as suas necessidades. O Brasil como um país socialmente injusto, com milhões de pessoas famintas, desassistidas e abandonadas, oferece uma ampla oportunidade de serviço cristão e as igrejas evangélicas têm um imenso campo de serviço cristão.

Por que nós, cristãos, devemos nos envolver em projetos sociais?

Paulo Rangel - Creio que a responsabilidade social está baseada ou é motivada pelo amor ao próximo, que deriva do amor de Deus derramado pelo Espírito Santo em nossos corações. Creio que qualquer pessoa que leia a Bíblia entende claramente que nossa relação com Deus exige uma relação de amor para com o nosso próximo.O Senhor Jesus deixou muito claro que o juízo final será baseado na fé que se expressa em amor prático, como "... visitar, alimentar, socorrer" ao próximo (Mat. 25:40). Um projeto social é uma maneira sábia, adequada e organizada de oferecer amor ao próximo, em forma de amparo, abrigo, assistência, educação e promoção humana.

Até onde deve ser o nosso envolvimento, visto que a cultura brasileira nessa área é paternalista?

Paulo Rangel - Creio que nosso envolvimento deve ser não somente em assistir, mas também promover as pessoas espiritual, social e fisicamente. Creio que é necessário e válido usar de todos os meios possíveis para levar o Evangelho de Cristo que contém uma resposta a todas as necessidades humanas em todas as áreas de sua vida. Promover a justiça social, tanto de modo assistencial como combater as estruturas injustas e opressoras, como a má distribuição de renda, a corrupção etc. É importante combater a miséria e suas causas espirituais, sociais e políticas. É preciso matar a fome, mas também oferecer emprego, educação, saúde e qualidade de vida. Como disse Luiz Gonzaga: "Dar esmola para o homem que é são ou mata de vergonha ou vicia o cidadão". É necessário socorrer os que estão perecendo, mas é também necessário promovê-los, capacitá-los e dar oportunidades para que eles se tornem independentes, resgatando a dignidade humana e a cidadania.

Quais princípios e métodos podemos usar?

Paulo Rangel - Os princípios e valores cristãos devem ser a base do nosso trabalho, ou seja: não fazemos obras sociais por proselitismo, mas como expressão de nossa fé cristã, amamos porque somos amados por Deus, que nos ensina e ordena que "Aquele que ama a Deus, ame também a seu irmão". Existe uma infinidade de métodos que podem ser utilizados, desde os mais comuns, como lares para abrigo de crianças e adolescentes carentes, como ações mais arrojadas atuando na libertação de crianças e adolescentes explorados pelo comércio sexual.

Recentemente, o Exército da Salvação dos EUA recebeu uma doação de US$ 1,5 bilhão de dólares. A notícia causou surpresa, principalmente porque várias organizações daquele país vivem uma crise de credibilidade. O que o senhor acha que motivou essa doação específica para O Exército da Salvação?

Paulo Rangel - Graças a Deus o Exército de Salvação nos Estados Unidos tem construído através dos anos uma imagem muito positiva e conquistado a confiança e o respeito do povo americano. O 'segredo' disso está certamente nos princípios e valores cristãos aliados a uma busca de excelência na administração dos recursos financeiros como parte de nossa mordomia cristã. Mais informações sobre isso podem ser encontradas no livro "A Mais Eficaz das Organizações", escrito pelos Comissários Robert Watson e Bem Brawn. Além desta doação vultuosa, o Exército de Salvação nos Estados Unidos tem recebido através dos anos muitos recursos de pessoas conhecidas, como Paul Newman e também tem grandes programas sociais em convênio com o Governo Americano.

Qual conselho o senhor daria para uma igreja que está pensando em iniciar um projeto na área social?

Paulo Rangel - Creio que há inúmeras maneiras de prestar serviço cristão. A primeira coisa é conhecer as necessidades da comunidade, ouvir Aqueles que fazem parte da organização daquela comunidade e os próprios necessitados; ver o que pode ser oferecido e iniciar algo simples e, á medida que aumentam os recursos e se adquiri mais conhecimento e experiência, deve-se buscar a excelência naquilo que está fazendo. Como disse o Senhor a Zorobabel, "Não desprezem este começo humilde, porque os olhos do Senhor se alegram vendo o trabalho começar" e ainda, "Zorobabel começou o alicerce do templo e vai completá-lo". O Exército de Salvação teve um começo muito humilde e precário, e certamente temos muito a aprender e melhorar, mas, pela graça de Deus temos conquistado alguns resultados que alegram muito e o fazemos para a glória de Deus.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com

URL: http://www.institutojetro.com/entrevistas/entrevistas/expressando-o-amor-de-cristo-na-pratica/
Site: www.institutojetro.com
Título do artigo: Expressando o amor de Cristo na prática
Autor:


Comentários