Entrevistas

Compartilhe

Organize a sua contabilidade

 


Geneci Cardoso Bueno é bacharel em Ciências Contábeis com pós-graduação em Administração Financeira e Contábil. Atua como auditora interna de uma grande empresa paranaense e é membro do comitê administrativo da sua igreja local. Ela possui larga experiência nas áreas de auditoria e controladoria de empresas, igrejas  e ministérios, já tendo atuado em nome do Instituto Jetro na auditoria de organizações cristãs. 

Nesta entrevista ela trata especificadamente da importância da contabilidade das igrejas ser feita dentro das boas práticas de gestão e enumera os passos e cuidados necessários para que isso ocorra. Além disso ela opina sobre a relação desta área com o nível de transparência da igreja e oferece arquivos para download dos interessados em saber mais e manter tudo em ordem.

 

O que é um plano de contas e por que todas as igrejas, independente do porte, devem ter um? 
Geneci - Plano de contas é o conjunto de contas, elaborado previamente, que direciona os trabalhos contábeis na classificação dos fatos ocorridos na instituição. Serve também como parâmetro para elaboração das demonstrações contábeis, de forma organizada. O plano de contas deve ser elaborado de forma a atender as necessidades de informações aos usuários internos (administração, liderança, membros), estar de acordo com os princípios contábeis e atender a fiscalização. 

Quem faz o plano de contas? Toda igreja precisa de um contador? 
Geneci - Somente um contador pode elaborar o plano de contas, por ser uma atividade técnica específica. No entanto, para a utilização do plano de contas e os lançamentos contábeis é largamente utilizado um auxiliar, cujo trabalho é revisado semanalmente ou mensalmente pelo contador. A necessidade do contador é indispensável para o cumprimento das obrigações fiscais, trabalhistas e tributárias. Tenho visto igrejas que tem um contador por um período de 2 horas semanais, para os trabalhos específicos. Outra forma é a contratação de escritório contábil. 

Como os documentos devem ser separados, classificados e guardados?
Geneci - A forma mais correta e usual na contabilidade é: primeiro a cronológica - ano, mês, dia, depois a da disponibilidade -primeiro as entradas de caixa, depósitos em bancos, etc., na seqüência do plano de contas. Os lançamentos podem ser numerados para facilitar a localização. Os arquivos podem ser numerados, dependendo do volume de documentos, com utilização de pastas, caixas-arquivo e identificados cronologicamente. Precisamos citar a importância da guarda dos documentos, uma vez que a legislação exige os últimos 5 anos, que passamos a contar a partir da entrega da declaração, ou seja: 2008 será entregue em 2009, deve ser guardada até 2014. 

Qual seria a relação do pastor da igreja com a contabilidade? Ele deve se envolver? Deve revisar?
Geneci - Todos os assuntos em relação à igreja devem ser de conhecimento do pastor. Isso não significa que ele deva participar de reuniões para definições de detalhes, ou para destinação de verbas cujas alçadas são do próprio corpo administrativo. Mas ele deve conhecer o todo, inclusive revisando, sim, questionando quando for o caso e entendendo a realidade dos fatos registrados. Afinal de contas, em grande parte das igrejas, o pastor é quem assina pela igreja e é responsável junto com o contador pelas informações às autoridades fiscais. 

E a questão de um conselho fiscal? Como funciona?
Geneci - O Conselho Fiscal é órgão fiscalizador da gestão administrativa, com o fim de preservar o cumprimento do objetivo - visão, missão e valores - da instituição. Ele age supervisionando a administração, questionando e solicitando esclarecimentos sempre que lhe convier. 

De que forma o plano de contas ajuda no princípio da transparência? 
Geneci - Imagine alguém te prestar contas mostrando apenas algo assim: Despesas gerais: R$ 11.000. É até engraçado pensar. O plano de contas segrega os fatos que aconteceram na igreja que envolveram valores. Todos os recebimentos, pagamentos, compras, com suas destinações são demonstrados por meio do plano de contas. Gastos separados por ministérios, finalidades como evangelização, eventos, é bem mais transparente. Inclusive para quem não é da área contábil, a apresentação especialmente de receitas e despesas é bem compreensível e satisfatória. 

Qual o papel da contabilidade dentro do contexto maior da gestão de uma igreja?
Geneci - Sempre que falamos em contabilidade estamos nos referindo ao registro dos fatos ocorridos. O papel da contabilidade é de mostrar os registros desses fatos, organizadamente, por meio de demonstrativos e relatórios, de maneira que satisfaça a necessidade de informações. A grande diferença que vemos no contexto de gestão é a utilização desses demonstrativos. Quanto maior for a necessidade de informações, mais útil será a contabilidade.

A entrevistada encaminhou dois arquivos para download: um modelo simplificado de plano de contas para igrejas e a norma específica para entidades sem fins lucrativos. Clique aqui para acessar nosso setor de download. Para baixar os arquivos você vai precisar efetuar o LOGIN através do seu e-mail e senha cadastrados.

Leia também uma entrevista já publicada com esta entrevistada sobre Práticas fundamentais para finanças de igrejas.

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com