Artigos

Compartilhe

Reflexão

Copeiros do Rei


O copeiro-chefe, todavia, não se lembrou de José, porém dele se esqueceu.(Gênesis 40.23)

Esse texto fala de uma situação na qual o copeiro-chefe de Faraó havia se metido em uma encrenca que o levou a prisão. A função de copeiro era da mais alta confiança, pois cabia a ele fiscalizar constantemente, dentre outras coisas, a comida e bebida servida a Faraó provando-a com antecedência para atestar se a mesma não havia sido envenenada por inimigos assassinos.

Já na prisão o copeiro teve um sonho e José, filho de Jacó, interpretou dizendo que o significado do sonho seria que em três dias, no aniversário de Faraó (um título equivalente a Rei), ele, o copeiro, seria restituído à sua função tornando-se livre do cárcere.

Ao sair o copeiro, feliz da vida, fez uma promessa a José: a de interceder pelo mesmo diante de Faraó. Porém o copeiro esqueceu-se do amigo nada mais nada menos do que dois longos anos (Gn 41.1).

Esse episódio nos lembra situações vividas por nós. Momentos em que tudo está bem, em que estamos embriagados pelo sucesso, pela exaltação e honra, estamos tão felizes em termos saído do aperto, do estreito, da prisão, estamos tão radiantes por estarmos na presença do Rei que nos esquecemos que tamanha vitória foi construída em regime de mutirão. Mutirão esse que teve como participantes pais, esposa(o), filhos, amigos, pastores, líderes, intercessores...

Esse copeiro do rei bem pode ser eu ou você que, extasiados pela volúpia da conquista, esquecemos que deixamos uma esposa(o) encarcerada(o) na cela do abandono e do desprezo, amargando a falta de reconhecimento depois de tanto ter lutado e acreditado sozinha(o) que um dia iríamos "chegar lá". Sua paga é a indiferença e rejeição.

Esse copeiro do rei somos nós quando nos tornamos pais ausentes, que valorizamos tanto os projetos individuais que nem nos damos conta do estrago que estamos fazendo na vida dos filhos que silenciosamente agonizam carecendo de atenção, amor e amizade.

Esse copeiro somos nós quando vemos como antiquados, caretas e esclerosados pais amorosos que durante toda uma vida lutaram, nos deram educação, pagaram o melhor colégio que podiam, e vislumbraram o nosso sucesso mesmo quando nada de bom se via no horizonte da nossa vida.

Esse copeiro do rei somos nós que após termos ao nosso lado pastores e líderes que oraram por nós, acreditando que tínhamos jeito, verdadeiros homens de Deus que nos abraçaram quando todos nos deram as costas e encruzaram os braços para nós. Profetas que profetizaram o irreal que se tornou real, o que parecia impossível, mas se fez possível, e hoje nem uma expressão de agradecimento, nenhuma palavra de reconhecimento é capaz de sair de nossos lábios, pois a vibração da vitória nos trouxe um efeito colateral terrível - ingratidão e esquecimento.

Esse copeiro do rei sou eu, é você, somos nós que cometemos a maior das injustiças deixando Deus "encarcerado" no calabouço do esquecimento do nosso coração, ao celebrarmos o sucesso alcançado, porém esquecendo-nos de que "Dele e por Ele e para Ele são todas as coisas".

Enfim, os copeiros do rei são todos aqueles que, apesar de curados da lepra do fracasso, não aprenderam a reconhecer que suas vitórias vieram do Senhor Jesus.

O copeiro do rei despertou depois de dois anos, e você, quanto tempo ainda levará para despertar e reconhecer que a sua vitória foi construída graças a um mutirão de pessoas que o amam e cujo principal arquiteto é Deus?

Reprodução Autorizada desde que mantida a integridade dos textos, mencionado o autor e o site www.institutojetro.com e comunicada sua utilização através do e-mail artigos@institutojetro.com.

Leia também
Em busca de equilíbrio
Entre balanços e planos